sexta-feira, 22 de julho de 2016

Relato de uma corredora na sua primeira maratona! Rio 2016, o ano olímpico!

Esse dia sem dúvida será o mais inesquecível da minha vida, foi o dia que completei minha primeira maratona, a maratona do Rio de Janeiro! Acredito que todo corredor de rua um dia sonha com essa distância ou pelo menos tem um grande fascínio e respeito por essa distância.

Eu confesso que sempre achei loucura e muito absurdo correr 42.195 quilômetros, achava inclusive que jamais faria. Eu estava feliz com os meus 10K de muitos domingos no estilo "run just for fun" ou seja, sem grandes pretensões.

Como tudo aquilo que faz bem, a corrida foi me dando mais confiança e aos poucos comecei e desejei correr alguns quilômetros mais. Eu ficava super feliz quando fazia 12K, 13K até que decidi que correria minha primeira meia maratona, que não por acaso foi no Rio de Janeiro ano passado AGO-2015. Eu sou apaixonada por essa distância, acho que nessa quilometragem eu desenvolvi muito mais meu amor pela corrida e onde eu senti que poderia tentar uma maratona.

Uma dica muito interessante que li e que eu reproduzo aqui é, caso você queira fazer uma maratona, sem dúvida nenhuma, é importantíssimo ter completado pelo menos 4 provas de meia maratona e claro muitos treinos solos de meia maratona.

Uma coisa é você fazer uma prova de meia maratona, a energia contagiante te faz ir pra frente, outra coisa é você acordar um dia e falar: hoje meu treino é de meia maratona. Eu fiz a maioria dos meus longos sozinha, então pra mim era uma vitória pessoal quando eu sozinha conseguia cumprir minha planilha de treino.


Eu gosto muito de treinar de modo bem confortável, tento ajustar o máximo possível tudo, desde o top, a faixa no cabelo, a viseira, a bermuda, a regata, a meia e claro o tênis. Conforto é algo que tem que ser testado durante os treinos para quando for para a prova não ter nenhum tipo de problema e realmente não tive problemas nesse sentido.

Acredito também que não existe nenhum momento durante a preparação que eu me senti totalmente preparada, aliás eu sempre senti e ainda sinto que tenho que melhorar muuuuuuito. Todo dia de treino é um novo desafio e não importa o quanto você treina, a maratona é dolorida para todos, é uma distância respeitável e que te coloca numa situação de limite do tipo: ou você vai com dor, ou você desiste porque não soube lidar com a dor ou porque se lesionou. Tem dores que são suportáveis...claro que tem outras que não! Cada um deve saber seu limite de parar ou seguir em frente.

Por falar em dor, acredito que ninguém gosta de sentir dor, mas treinando para a maratona eu percebi o quanto É IMPORTANTE TREINAR E SENTIR DOR e saber dominá-la. Um mês antes da maratona no Rio eu fui para a Praia Grande fazer um treino longo de 30K. Eu vinha de um treino de meia maratona e uma prova de meia maratona seguida com intervalo de uma semana entre elas. Nesse dia nos 30K eu senti dor desde o primeiro quilômetro e eu falava para meu irmão que também treinou comigo que eu estava com dor e ele me dizia: "para de frescura, isso é normal." O fato é que eu corri os 30K com dor nas coxas, hora a dor vinha, hora passava e hoje eu vejo o quanto esse treino foi importantíssimo. Depois desse treino comecei a chorar, achando que não ia conseguir completar a maratona porque sofri demais. O engraçado é que minha mãe me esperava num banco na praia e quando eu cheguei, claro que muito além do horário combinado, ainda levei uma bronca.....rsrsrsrs

Tudo o que eu desejava depois desse treino era chegar no dia da prova sem dor no início e isso deu certo, veja a foto abaixo de um dos meus lugares favoritos no Rio. O dia estava lindo e não tão quente assim!

Um outro treino que simulou muito bem o que acontece na maratona foi fazer 3 semanas antes 2 treinos de 18K num mesmo dia. Esse treino me deu muita confiança porque é muito importante você treinar cansada. Sou grata ao Rafael que foi meu staff e me esperou completar os dois treinos. Sou grata aos ultramaratonistas Fábio e Roselaine que me falaram para fazer 2 treinos num mesmo dia. Nesse dia também tive a alegria de conhecer um maratonista sensacional, Silvio, que já correu 37 maratonas e eu estava lá feito criança escutando as milhares de dicas e histórias interessantes, tudo isso no meu intervalo entre os dois treinos.

Tudo isso para dizer que treinar para a maratona é sentir muito cansaço e mesmo assim você se sentir feliz por atingir as quilometragens planejadas durante os treinos.
Meus treinos foram muito abaixo do que seria o ideal e eu tenho plena consciência disso, mas a minha vontade de entrar no universo da maratona e sentir todas as quilometragens era meu combustível. Eu estava muito feliz e fui feliz em cada quilômetro percorrido durante a maratona. A triatleta Fernanda Keller já tinha me dito que eu seria muito feliz na minha primeira maratona, foi dito e feito! Todo o desafio que nos colocamos a fazer e cumprimos para nós mesmos é a maior conquista que podemos ter.
A semana da maratona, o coração bate a mil por hora, não consegui dormir direito e ainda por cima fiquei doente com inflamação nas cordas vocais e na garganta. Fiquei proibida de treinar na semana da maratona, uma semana antes eu tinha corrido 7K e me senti esquisita quando fui na médica e ela me disse que eu tinha que ficar em repouso para não virar uma pneumonia. 

Viajei ao Rio com duas amigas muito queridas, Andreia e Talita, as quais eu vou pentelhando e incentivando a correr e participar dessa grande festa que é a maratona. Independente da distância escolhida, o evento da corrida de rua, o ambiente por sí só é uma festa, e eu adoro esse ambiente!

O vídeo do percurso da maratona do Rio feito pela organização do evento foi sensacional, chorei várias vezes e fiquei estudando os pontos e as quilometragens e me vizualizava sempre conseguindo completar a prova. Eu sabia que era difícil mas sempre pensava, de um jeito ou de outro vou completar essa prova.

Escrevendo esse post, parece que eu vivi um sonho! Acordei 3h30 da manhã para tomar banho e me trocar para ir para a prova. No hostel onde eu estava tinha outros tantos corredores e formamos um grupo que foi para a parada do ônibus da maratona que nos levou para a largada no Pontal do Tim Maia no Recreio dos Bandeirantes. Eu pensava, nossa estou aqui mesmo na largada, eu vou partir para correr 42K. Na verdade parecia que eu ia correr qualquer outra prova de 10K ou 21K, a diferença é que eu não fazia ideia como me sentiria numa prova de 42K.

Dada a largada fui correndo muito bem e me sentindo bem escutando minhas músicas do meu iPod e observando e me observando no meio daquele monte de gente para sempre me lembrar desse momento. Tive um imprevisto no Km 8, coisas de mulher e no Km 15 tive que parar e ir ao banheiro onde perdi uns 15 a 20 minutos. Passei a meia maratona muito feliz e sem dor. Isso era um dos meus planos, passar a meia e estar com energia para dobrar a quilometragem. No Km23 começou a primeira subida onde fiz correndo bem lento, mas fiz correndo. Na vista do elevado do Joá eu comecei a chorar emocionada, meu amor pelo Rio de Janeiro é declarado de tal maneira que sempre me emociono. Passei do Km 25 ao 26 bem e muito confiante. No Km 28 surgiram as primeiras câimbras e um corredor me emprestou um gelol. Depois disso comecei a pegar gelo em todas as paradas de água e passar nas pernas. Passei o Km 30 bem, não senti o paredão que tanto falam.

No Km 36 ao 37 foi super difícil pois a câimbras começaram a aumentar mais e mais, ela vinha e depois melhorava e depois vinha novamente, parecia que ela queria mesmo correr comigo. No Km 40 as minhas pernas ficaram duras de uma vez, a ponto de ter que parar e esperar um pouco para voltar ao normal. Talvez no Km 40 foi meu paredão! Nesse momento eu escutava a música Fighter da Cristina Aguillera e pensava, vamos perninhas, falta pouco para acabar, não me abandone agora, não quero terminar andando. No Km 41 tive a surpresa de escutar: "Iarinhaaaaaa" da minha querida amiga trilheira Luciana que já tinha acompanhado o namorado maratonista e me esperava alí. Ela falava, falta 1 Km Iarinha, não para! (foto ao lado).O namorado dela dizia, vai embora, não para! Eu não sei o que aconteceu nesse momento, mas essas palavras de incentivo parece que foram cruciais, fiz meu último quilômetro sem câimbras, sem dor e super feliz. Quase na chegada, minhas amigas Andreia e Talita gritaram meu nome e me acompanharam do lado de fora da grade.

O fato é que cruzei o marcador dos 42K super feliz e saltando, peguei minha medalha e não estava entendendo o que acontecia alí. Eu só falava para minhas amigas, foi muito difícil, muito difícil e chorava.

Levei um tempo para entender e ainda hoje mesmo escrevendo aqui, acho que ainda vou levar esse aprendizado para o resto da minha vida. O autoconhecimento que tive de mim mesma foi incrível, nem eu sabia quem era aquela Iara correndo com dor. A Iara que corre 42K ainda é um desafio e lições que quero continuar aprendendo. Em nenhum momento senti ódio da corrida ou me perguntei o que estava fazendo alí, muito pelo contrário, eu pensava ...."preciso treinar mais", vou fazer mais isso, mais aquilo, já confabulando comigo mesma meus próximos treinos

Essa foto é da melhor empada de carne seca com o melhor chopp escuro do mundo no boteco Belmonte, que alegria comer essa iguaria pós maratona!
De todos os desafios e aventuras que já fiz, a maratona tem realmente um sabor diferente, uma poesia diferente, um astral diferente, uma energia diferente de absolutamente tudo que já fiz. Minha próxima maratona será aqui em São Paulo da Asics city marathon dia 31 de Julho. Eu sei que não deveria fazer uma tão próxima da outra, mas depois dessa vou me reestruturar e me planejar para o ano que vem. Uma maratona por ano acho que está bom, até os 40 anos ter feito umas 7 maratonas, uma por ano, vou ficar muito feliz!

Depois vou fazer provas de meia maratona que são uma delícia e onde eu tento puxar vários amigos. Meu foco vai ser esse, pentelhar meus amigos corredores para fazer meia maratona ou simplesmente "correr just for fun" sem quilometragem definida, apenas para se divertir com a  corrida! Isso eu adoro!

Iniciei meus primeiros passos na maratona num ano de Olimpíadas e isso também será inesquecível!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Treino de corrida na Estrada Velha de Santos

Há muito tempo  eu ensaiva treinar na estrada velha de Santos no trecho que fica em São Bernardo do Campo, região da Serra do Mar. Um querido amigo morador de SBC é fotógrafo e está sempre na região tirando fotos das pessoas que alí treinam. Muitos corredores conhecem ele, é o Rafael Fotográfico! No meu terceiro dia de férias decidi que ia correr alí. É possível treinar diferentes distâncias, do Parque Estoril até o Portal da entrada do Parque Estadual tem 10K. Eu como fui para testar chegar lá de ônibus e acabei encontrando meu amigo que meu deu carona na volta, treinei 8K.

Para quem vai de carro é bem fácil, basta seguir pela rodovia anchieta e seguir as placas de Riacho Grande e depois pegar a entrada para a rodovia Caminhos do Mar. Já havia ido algumas vezes de carro mas queria muito chegar nessa região de ônibus, já que por enquanto não tenho carro.

Para quem vai de ônibus, tem duas opções: 

1. Ir de Trem até Ribeirão Pires e pegar o ônibus para São Bernardo do Campo que vai pela rodovia Índio Tibiriça e descer no cruzamento da rod. Índio Tibiriça com a Caminhos do Mar ou pedir para o cobrador avisar para descer perto do estância Alto da Serra, pronto chegou na região! Quando eu avistei um pessoal pedalando, pensei comigo, cheguei!!!!!

2. Minha volta foi a partir do terminal de ônibus em São Bernardo do Campo chamado Ferrazópolis e lá no terminal tem um ônibus chamado GLICÉRIO que o ponto final fica pertinho do metrô D. Pedro II e do terminal de ônibus. O ônibus é confortável de almofada, tão confortável que eu dormi...rsrsrs A partir do terminal Ferrazópolis também se chega no Portal do Parque da Serra do Mar.

Ou seja, tanto faz ir e voltar pela opção 1 ou 2 ou ir pela 1 e voltar pela 2, ou ir pela 2 e voltar pela 1. Para mim foi uma super aventura fazer esses dois caminhos de ônibus.

Nessa região é possível fazer treinos de 8K começando do cruzamento da rodovia Índio Tibiriça até o Portal de entrada do PE da Serra do Mar. Esse foi o primeiro treino que fiz na região, num dia ensolarado e quente. Correr numa estrada foi novidade pra mim e senti uma atmosfera diferente, me pareceu difícil, mas gostei bastante.

Ao lado sou eu e o ônibus que está voltando para o terminal Ferrazópolis, da opção 2 que relatei acima. Meu amigo Rafael ia na frente de carro e me esperava chegar. Procurei não demorar muito já que meu amigo me esperava na frente e todas as fotos ficaram incríveis. Eu gosto demais dessa região porque foi onde pela primeira vez fiz trilha de verdade e percebi o quanto eu precisava ter um condicionamento físico melhor. Já fui muito sedentária e hoje estou treinando para minha primeira maratona. Aqui abaixo sou eu fazendo graça com meus saltos para meu amigo fotógrafo!

No ano de 2015 corri muito na pista da Sumaré e em 2016 eu quero treinar mais vezes na estrada velha de Santos respirando um ar mais puro. Confesso que não foi a mesma coisa que correr no Parque do Ibirapuera, deu uma sensação de desafio essa estrada.
Além de correr eu amo fazer trilhas e como o Rafael Fotográfico também conhece todas as trilhas da região, ele aproveitou para me mostrar umas trilhas diferentes para eu voltar outras vezes com meus amigos. É possível também fazer um treino de corrida na trilha, tem umas poças de água consideráveis porque alí chove bastante.

Aqui em cima sou eu tentando desviar das poças de água, mas não teve muito jeito, tive que atolar o pé na lama e ainda fazer uma caminhada pelo rio Perequê. Meus amigos trilheiros que se preparem, 2016 voltaremos para explorar e apreciar as trilhas da Serra do Mar.


Fica então minha dica de passeio na estrada velha de Santos. Você não precisa necessariamente ir lá para correr. Vi um casal em que o namorado ensinava a namorada a andar de bicicleta, achei isso sensacional. Por incrível que possa parecer tem muita gente que não sabe andar de bike, na estrada velha de santos é bem tranquilo praticar pois não passa tanto carro do trecho da rod. índio tibiriça até o Portal.

Desejo um excelente ano de 2016 recheado de corridas e trilhas!

Fica aqui meu agradecimento ao melhor fotógrafo de corridas e trilheiro nato Rafael Fotográfico, me aguarde para mais clicks em 2016!!!!! Graças ao incentivo do Rafael hoje me sinto mais trilheira e corro também!

domingo, 22 de novembro de 2015

O que a corrida me ensinou esse ano!

Esse ano a corrida me ensinou muitas coisas e escrevo esse post para dividir com vocês um pouco do que aprendi. Para mim a corrida já faz parte do meu estilo de vida, já tem uns 2 anos que acordar no domingo cedo significa colocar o tênis, a bermuda, minha regata, meu iPod, celular com o nike run e minha pochete de corrida e ir para alguma pista. Minhas 10 lições desse ano foram:

1. Sempre gostei de correr no parque da Aclimação e quase todo domingo estava lá, mas fui percebendo que é muito saudável trocar os locais de treino e esse ano fiz muito isso. Fui para o Minhocão diversas vezes  e até numa delas encontrei o maratonista e médico Drauzio Varela treinando, fiquei tão contente! Diversificar o caminho é muito importante para não deixar a corrida cair na rotina. A rotina de correr tem que existir porém em locais diferente é crucial para a evolução.

2. Correr sozinha é muito bacana e diversas vezes corro sozinha ouvindo minhas músicas e me divirto. Mas correr com amigos é muito bacana porque cada um tem um estilo e dividir essa experiência é muito enriquecedor. Esse ano consegui reduzir meu tempo dos 5K correndo com um amigo que corre muito forte e me puxou para correr mais forte. Outro dia treinando sozinha tive o mesmo desempenho de quando corri com meu amigo rápido. Vale a pena correr com amigos com diferentes perfis, um puxa o outro e fica muito gratificante no final.

3. Nem só de corrida vive uma corredora, eu adoro fazer outros esportes para não cansar sempre os mesmos músculos. Fazer trilha, Fazer musculação, escalar mesmo que um pouquinho é importante. Ultimamente tenho investido na musculação e natação. Fiz uma corrida de montanha e um corredor me fez a cabeça para incluir a natação no treino semanal, não vou dizer que amo, mas estou curtindo cada braçada!

4. Assim como fui incentivada por amigos e professores a correr, eu procuro incentivar as pessoas ao meu redor. Incentivar ao esporte que te deixa bem para que outras pessoas conheçam é fundamental. A vida é feita de estímulos e incentivos, numa vida como a nossa em São Paulo é muito importante que as pessoas descarreguem o cansaço numa prática esportiva, seja ela qual for. Claro que sempre vou recomendar a corrida.

5.Tive assessoria esportiva personalizada por 15 meses da professora e personal Tays Brito -  taysbrito@hotmail.com  que me treinou muito para 10K! Chorei várias vezes quando terminava 10K e agora virou um treino normal pra mim, mas sem as aulas não seria fácil chegar até aqui. Indico para todas as minhas amigas mulheres que querem começar a inserir um estilo de vida com uma prática de atividade física mais específica. Ter uma personal de corrida é sensacional e pra mim foi muito importante ter o acompanhamento e treinos específicos para um melhor desempenho na corrida.

6. Aprender com os amigos, blogs, corredores nas provas é maravilhoso. Adoro escutar as histórias, as dicas e tudo isso vira uma acúmulo gigante de experiências que vou anexando nos meus treinos. Muitos blogs me inspiram mas sem dúvida o blog da Yara Achoa, minha xará é demais! Até que um belo dia encontro a Yara no meio do meu caminho para o trabalho, fiquei tão feliz! Graças a ela agora tenho uma nutricionista que também é corredora!

7. Por falar em nutrição, se alimentar bem é importantíssimo para um melhor desempenho na corrida. Esse ano sofri demais para tentar entender o que e quando comer para nãos sentir tanto cansaço e aquela fome de leão pós treino e ter mais energia para as corridas. Até que pela Yara conheci a Betina Baletta betina.nutricionista@yahoo.com.br que me orienta especificamente para uma alimentação mega saudável para meus objetivos com a corrida. Super recomendo o acompanhamento com uma nutricionista especialista em práticas esportivas e que ainda corre maratonas nas montanhas. Quem corre precisa se alimentar bem e é isso que reduz o peso, não é a quantidade de corridas que você faz. Atualmente peso 52,5Kg, mas já cheguei a pesar 62 Kg e corria também. 

9. Não dê ouvidos para o que as pessoas pensam sobre você e sobre o que você faz. Escutei diversas besteiras esse ano quando eu compartilhava algum assunto relacionado a corrida e alimentação. O que eu tenho claro é que não dou ouvidos para bobagens ditas por quem não corre regularmente toda semana. Como diz um amigo meu, as pessoas que mais tem a ensinar são aquelas que correm regularmente. As que não correm e falam besteiras na verdade estão com uma dor de cotovelo enorme! rsrsrs

10.  Não corra com gripe! Fiz a besteira de correr com gripe e virou uma pneumonia faltando 4 dias para minha segunda meia maratona. O fato é que corri assim mesmo, levei várias broncas mas me senti a pessoa mais feliz do mundo correndo pós pnenumonia, foto ao lado. 21K dominado mesmo pós pneumonia!!!!! Na revista runners desse mês li sobre um corredor que fez quimioterapia na sexta e no domingo fez uma meia maratona. Há pessoas piores que eu! rsrsrs Ufa!

Ano terminando e está faltando apenas duas provinhas para fechar 2015 com muito aprendizado e evolução. Para o ano que vem seguirei aprendendo mais e treinando mais firme ainda para tentar sim conquistar os 42K com muito treino, foco, alimentação saudável, dedicação e orientação específica para atingir essa meta. Essa é a energia boa que a corrida me proporciona!

Que venha 2016!!!!!!

sábado, 19 de setembro de 2015

Trilhas: definições e dicas para quem quer começar

Já faz 15 anos que fui introduzida ao mundo das trilhas e desde então virou uma das minhas práticas esportivas favoritas. Hoje resolvi escrever esse post até para organizar as coisas que aprendi ao longo dos anos e que ainda continuo aprendendo. Adoro dividir o que aprendo e aliás esse blog já me fez conhecer muitas pessoas nesse universo das trilhas.

A atividade "fazer trilha" é uma das práticas esportivas do montanhismo. Aliás montanhismo inclui diferentes práticas esportivas:

  • trilhas: podem ser curtas de 1Km, 2Km...10Km, 15Km dependendo do lugar e com diferentes níveis de dificuldade e normalmente vai e volta pelo mesmo lugar que começou.
  • travessias: são trilhas mais longas de 25Km, 30Km, 50Km em que você começa num ponto e termina em outro em dois, três, quatro dias.
  • escalada: essa prática esportiva exige conhecimentos mais técnicos como manuseio de cordas e milhões de informações técnicas para subir um paredão rochoso.
  • acampamento: nessa prática o objetivo é chegar num determinado ponto da trilha e acampar, há várias técnicas específicas para o acampamento.
Todas essas modalidades podem ser praticadas por qualquer pessoa porém é preciso aprender com pessoas experientes e inclusive tem curso para montanhismo. Aliás, em algum momento da minha vida eu quero muito fazer o curso de montanhismo. É muito importante começar com quem entende e tenha noções de localização e direção. Por enquanto, tenho aprendido na prática com diversos amigos trilheiros sobre esse universo do montanhismo. Eu faço mais trilhas e tem 3 anos que comecei a fazer travessias. A escalada raras vezes vou com amigas que amam essa prática e o bom que é possível  fazer a escalada indoor aqui em São Paulo, mais especificamente na Casa de Pedra. Aliás quem me falava muito da escalada indoor foi um viajante que já havia conhecido 30 países e praticava a escalada indoor em Londres. Hoje tenho duas amigas, Paty e Ana que tem uma super paciência de fazer minha segurança na minha prática de uma vez por mês na Casa de Pedra...rsrsrsrs

Se tem uma coisa bacana nesse mundo do montanhismo é o fato de você conhecer uma gama gigantesca de pessoas que praticam essas modalidades do montanhismo. Esse ano teve um dia que cheguei no meu trabalho e fiquei conversando com uma colega de trabalho Edith que me contou com detalhes sua trilha até o monte Fuji no Japão, meu dia foi incrível só de ter escutado essa história.

A história do montanhismo no Brasil sempre começa com o Rio de Janeiro e não coincidência meus amigos trilheiros que venho fazendo nos últimos anos são dessa cidade. Esse ano eu tinha colocado para mim mesma que iria fazer trilha no Rio de Janeiro, desse ano não poderia passar e fiz uma travessia curta de 10Km do Jd Botânico até o Cosme Velho. Ainda esse ano gostaria de subir a Pedra da Gávea, fazer a trilha do Pão de Açúcar, subir a Pedra do Pontal que meus amigos se prontificaram a me levar...rsrsrs Ainda estou aprendendo os nomes dos picos no Rio de Janeiro e confesso que fiquei encantada de ver o Dedo de Deus e o Escalavrado ao vivo na foto ao lado.

No próximo final de semana farei uma trilha de pelo menos 20Km na Ilha Grande com os meus amigos trilheiros cariocas. Ano passado eu fiz algumas trilhas nessa ilha e fiquei apaixonada e coloquei que vou pelo menos uma vez ao ano na Ilha Grande fazer trilha, um dos lugares mais legais que já conheci. Dessa vez vou levar uma nova amiga, Carla, que também curte esse universo das trilhas e assim seguirei fazendo trilhas e travessias nesse esporte que o contato com a natureza é 100%.

Minha dica é, se um dia você quiser começar a fazer trilhas, há diversas trilhas curtinhas no Parque do Jaraguá, Parque da Cantareira, Horto Florestal. No Parque do Ibirapuera tem uma trilha enorme que circunda o parque e uma interna a pista de coorper que é meu refúgio quando estou muito tempo sem fazer trilha, aliás gosto muito de correr nessa pistinha de 1,5Km no meio das árvores gigantes. O Parque do Carmo, o Parque da independência no Ipiranga, Parque da Água Branca e diversos parques de São Paulo tem trilhinhas bacanas para começar. São curtinhas e não cansam tanto, para começar são excelentes.
Há um link que adoro visitar pois é possível escolher as trilhas com 3 níveis de dificuldade, baixa, média e difícil no estado de São Paulo. Como essas trilhas são mapeadas e bem marcadas, não tem como se perder.
 http://trilhasdesaopaulo.sp.gov.br/ 
Muitas dessas trilhas curtinhas dá para ir com crianças, acho importante levar crianças para esse meio pois além de acalmar o cérebro proporciona um bem estar incrível além de ser bem econômico. O importante é começar e depois vai se acostumando, sabendo que o maior problema depois será não conseguir deixar de fazer trilha!

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Minha primeira Meia Maratona!

Correr é um dos esportes que já faz parte da minha rotina e me deixa muito bem. Nunca tive planos muito além dos 10K, já tinha feito mais 7 corridas de 10K até eu perceber que correr essa distância no domingo me deixava bem e sem dor alguma, entrou na rotina.

Para não cair numa auto-sabotagem eu coloquei que iria treinar sozinha e me inscrevi numa meia maratona em Outubro, isso de certa forma me deixava com um foco e meus treinos e meus exercícios teriam que ser feitos para atingir essa meta. Junho, Julho e Agosto treinei bem e bastante, estava me sentindo tão bem que resolvi antecipar minha estreia em meia maratona, me inscrevi na meia maratona do Rio de Janeiro 2015 dia 30 de Agosto. Além do atrativo da corrida em si que me fascina, correr na minha cidade favorita poderia ser marcante para debutar minha primeira meia maratona.

Como foram os treinos sozinha

Me planejava para correr aos domingos, quartas e sextas em média de 1 hora de treino nas pistas da Sumaré, no Minhocão e no Parque da Aclimação. Na minha opinião se o objetivo é treinar para a corrida de rua, nada melhor que treinar ao ar livre. Eu particularmente não gosto de treinar na esteira, só quando chove ou quando está muito frio. Treinar ao ar livre a sensação é bem melhor e o treino é mais completo, mas isso é bem pessoal.  Há muitas recomendações para treinar na esteira por conta do baixo impacto, há pistas de terra que também reduzem o impacto como a pista de cooper do Ibirapuera que eu adoro também. Uma dica que segui para meus treinos para a meia maratona foi fazer ao menos uma corrida de 15K, acabei correndo 18K 2 semanas antes da corrida.Em junho corri ao todo 24K, em Julho 32K e em Agosto o mês da preparação mesmo foram 71K ao longo das semanas. Somando com a Meia Maratona corri ao todo em Agosto 92K. 

O psicológico e a corrida

Não adianta correr, fazer musculação se você não treina seu psicológico. Muitos maratonistas e especialistas em corrida falam isso, a cabeça precisa estar focada e você precisa ter uma autoconfiança absurda, mas isso vem com a corrida também.  Muitas pessoas que venho conhecendo e conversando nesse mundo das corridas são focadas e muito objetivas, é animador conversar com essas pessoas, sinto que me contagio com essa energia. No dia que corri 18K me senti incrível e senti que tinha chances de terminar a meia maratona relativamente bem.

O grande dia da Meia Maratona do Rio de Janeiro

Eu amo o Rio de Janeiro e o percurso é um dos mais lindos do mundo, isso li de gente que viaja mundo afora para correr. O percurso começa na praia de São Conrado seguindo pela av Niemeyer e com uma subidinha a partir do Km 1. Nada de outro mundo para quem treina na Sumaré e na ladeira da Aclimação. Considero fundamental treinar em subidas, tem que fazer parte do treino semanal na minha opinião.

Havia quase 20 mil inscritos na meia maratona e a diversidade de pessoas é gigantesca e fiquei me entretendo com as camisetas das pessoas das diversas cidades do Brasil: Manaus, Goiânia, Brasília, Fortaleza e por aí vai. Gosto também de reparar nas pessoas mais velhas correndo, são muitas pessoas com mais 40, 50 e 60 anos correndo. Fico empolgada correndo e vendo essas pessoas junto comigo, fico pensando se com a idade dessas pessoas vou continuar correndo....

O dia da corrida estava com céu azul e com um sol considerável e demonstrava que seria forte ao longo de todo o trajeto. Um dos meus treinos semanais é por volta das 14h com o sol forte também, então eu pensava, olha o Sol que me acompanha nos treinos.

Passar pelos 5K e 10K foi tranquilo mesmo com Sol, mas a meia maratona começa depois dos 10K, nesse momento tomei o gel de carboidrato de alta absorção, dá um gás depois de alguns minutos. Aí começa o desafio, você precisa manter o ritmo e coordenar braços, pernas, respiração e o psicológico além do Sol forte. A energia é tão boa no meio dos corredores que o objetivo é terminar aquela corrida numa boa com essas sensações do trajeto além do visual dos morros e das praias. Minha média foi 6,5min por Km. Meu Km mais rápido foi o 4K e consegui no Km 19 ir rápida também, mas o desgaste é grande e bate o cansaço, então é melhor reduzir a velocidade ao invés de parar. Tenho treinado para não parar e não ir ao banheiro ao longo da corrida. Parei em dois momentos para tomar os gatorades que distribuíram ao longo da corrida, foi demais a organização colocar esses isotônicos ao longo do trajeto, faz muita diferença tomar isotônico. A organização do evento foi sensacional!

A hora que cruza o Km 20 começa a tensão para terminar, parece que não chega o fim e muita gente parando e cansada...uma sensação de que tudo ao redor está em câmera lenta...inclusive eu. Cruzar a linha de chegada é demais, demora para entender que acabou...um sensação maravilhosa de conseguir carregar meu peso saltando de São Conrado até o Flamengo debaixo de Sol forte. Peguei a medalha e os isotônicos e sentei no gramado para tentar entender o que estava acontecendo, parei meu marcador do nike run que marcou 2h23min e que parabenizava por correr uma meia maratona. Essa foto estou terminando os 21K no canto esquerdo.


Descansando alí no gramado uma senhora me pediu para tirar foto com a medalha e não me contive em querer saber mais sobre ela. Uma senhora de 54 anos de Fortaleza na sua décima meia maratona estava triste de ter terminado em 2h36. Ela reclamou que o Sol foi cruel e eis que falei, mas em Fortaleza tem muito Sol também...daí ela me deu uma resposta geográfica linda: "mas lá tem vento" É verdade, além de estar Sol não tinha muito vento. Eu disse a ela que eu quero chegar na idade dela e fazer esse tempo em meia maratona, ela deu risada, me agradeceu e tirou minha foto também com minha medalha.

Essa corrida foi a mais marcante de todas que já fiz até agora, marca meu início no mundo dos 21K que quero correr por um bom tempo, considerando que no começo eu não conseguia completar os 900 m da pista da Aclimação. Vou seguir com os treinos, musculação, treinos funcionais para o próximo 21K em Outubro e a volta da Pampulha em Dezembro de 18K.

A corrida me dá foco, tranquilidade e paz, então seguirei correndo!

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Corrida e o fim da enxaqueca!

Dentre os diversos benefícios que a corrida me proporcionou, sem dúvida alguma foi o fim da minhas crises constantes de enxaqueca. Sempre tive muitas crises e cheguei a aprender a lidar com a dor, já fazia parte da rotina...tipo: ai, hoje estou com enxaqueca.

No Brasil, em média 15% da população sofre com enxaqueca, principalmente mulheres. Nos meus treinos de corrida que começaram ano passado eu sempre sentia uma dorzinha de cabeça no final do treino, porém depois de muitos e muitos treinos minha enxaqueca foi desaparecendo, desaparecendo...até que me dei conta que não tenho mais nenhuma crise.

Algo que ajudou muito também foi beber bastante água (quase 2 garrafinhas 500ml)  antes do treino de corrida e após o treino (umas 3 garrafinhas 500ml), 

Eu já havia tentado remédios e acupuntura, mas uma vez um médico me disse que para cada pessoa pode funcionar uma coisa ou outra e que é preciso testar para ver como o organismo responde. No meu caso, a corrida foi um santo remédio e agora não consigo viver sem. Para quem tem crises de enxaqueca sugiro o mesmo, ver como seu organismo responde. Não pensem também que o resultado é rápido, levei um ano para me acostumar a correr sério, até virar um hábito mesmo, um excelente hábito por sinal.

Não quer dizer que não sinto mais dor de cabeça, teve até um domingo que acordei com uma leve dorzinha incômoda e estava me preparando para correr. Imaginei que ia correr no maximo 1K, mas aí fui correndo, correndo, correndo pelas ruas do Cambuci e quando me dei conta já está no Parque da Independência no Ipiranga e voltei para casa correndo, no total deu 12K. Nesse caso, a corrida ajudou a acabar com a dorzinha incômoda e se fosse antes, essa dorzinha já seria a desculpa para nem sair da cama.

Quando você começa a correr, muita coisa muda e sem dúvida a disciplina e o compromisso com a corrida é praticamente um relacionamento. Tem blogs que leio de corredora que dizem que é praticamente um casamento, muitas vezes mais duradouro que o próprio casamento. O meu relacionamento com a corrida tem uns 4 anos, sendo que os 3 primeiros anos ficava nas corridas de 5K, tem 1 ano que treino para 10K e agora começo a tentar entrar no mundo dos 21K.

domingo, 9 de agosto de 2015

Corridas e trilhas, uma excelente combinação!

Geoiarinha é um blog que adoro escrever para compartilhar minhas experiências sobre diversos assuntos que começou em 2009 e estava parado. Agora em 2015 vou retomar aos poucos com assuntos ligados a corrida, trilhas, qualidade de vida e viagens. Nesse post vou falar um pouco da minha relação com a corrida e a trilha.

Quando comecei a escrever no blog eu tinha 28 anos de idade, agora com 34 anos me sinto mais jovem que há 6 anos atrás. Sempre gostei de estar em contato com a natureza e de correr.

O início e as boas influências

Minha primeira trilha foi em 2001 introduzida aos encantos da Serra do Mar na região de São Bernardo do Campo apresentada pelo meu amigo Rafael Fotográfico que além de amar trilhas, é fotógrafo de corridas de rua. A foto do meu perfil foi tirada por ele em 2013.

Nas trilhas eu senti que precisava melhorar muito meu condicionamento e em 2003 me inscrevi no curso de atletismo na USP e toda semana treinava várias modalidades do atletismo e entre eles a corrida sempre no final da aula...eu morria de cansaço e achava que nunca conseguiria correr.

Parei por um bom tempo e em 2011 treinando exercícios funcionais no sesc conheci a Dona Terezinha, uma senhora de mais de 60 anos que adorava correr 5K nas corridas gratuitas da prefeitura de SP. Ela me convidou para essas corridas, fiz mais de 10 corridas de 5K e levava 50min, 45min. Não conseguia correr direto, sempre parava em algum momento para caminhar mas sempre finalizava a corrida e sempre me senti muito bem. Fiz algumas aulas de corrida no sesc carmo que ainda tem e são gratuitas de segunda e sexta feira às 18h.

Correr sempre me deu mais condicionamento para as trilhas que amo tanto fazer. Trilhas de 50K, 30K, 20K ou 10K exigem muito condicionamento físico e esse é um dos motivos de eu manter meus treinos de corrida.

Em 2014 eu decidi contratar uma personal para me condicionar mais ainda para a corrida e me treinar para 10K, coisa que eu achava que jamais faria. De março a junho quando fiz meu primeiro 10K, entrei no mundo dos 10K. Hoje meu corpo entende tranquilamente quando corro 10K, estou super bem treinada para 5K e 10K. Mas o corpo pede mais e tenho me arriscado vez ou outra a 12K, 13K e espero no final no mês terminar uma prova de 21K.

Atualmente treino sozinha aprendendo com uma amiga maratonista e lendo diversos blogs e seguindo planilhas de treinamento. Faz 2 meses que estou treinando sozinha e estou gostando bastante pois exige muito mais disciplina e isso é um dos benefícios da corrida. Disciplina! É importante variar o lugar do treino, um dia treino na Sumaré, outro no Minhocão, no parque da Aclimação e as vezes nas ruas na Liberdade. Tem vezes que faço travessias, começo no Sumaré e termino na minha casa. Já saí de casa correndo e fui até o Parque da Independência e voltei correndo. Eu sempre me proponho rotas novas. Mas cuidado, correr na rua exige cuidado para não tropeçar nos milhares de buracos.

As dificuldades e as desculpas mais comuns para não correr

Muita gente acha que é impossível correr, eu confesso que também achava, mas nas minhas aulas na USP uma frase do professor foi muito importante pra mim: É único esporte que depende única  e exclusivamente de você. A definição que a corrida é uma sequencia de saltos também adoro e quanto mais leve você for, mais fácil será correr.

Correr não é simplesmente botar um tênis e sair correndo que nem louco, é preciso treinar corretamente e tendo em vista que você precisa ficar bem no final das corridas. Você corre para ficar bem e não morrendo, porém para ficar bem é preciso treinar bastante e duro. Se você corre e fica mal, alguma coisa está errado.

Engana-se também quem acha que correr emagrece, o que emagrece mesmo é ter uma alimentação saudável, isso é 60% do esforço necessário para emagrecer. A corrida está entre os 40%  além da musculação e exercícios funcionais. Há muitos gordinhos que correm muito bem, mas a corrida corresponde a 20% do trabalho todo para emagrecer.

Para finalizar, o que a maioria das pessoas falam é: " não vem aqueeeeeela vontade". Sinto dizer mas isso acontece com todo mundo que corre, aquela vontaaaaaaaaade mesmo não existe. O que existe é você se colocar metas. No começo eu ficava muuuuuito feliz em correr sem parar uma volta no Parque da Aclimação que tem 900m. Eu no começo não fazia isso com nenhuma facilidade, mas era minha meta. Com o tempo e a cada conquista, você precisa aumentar a meta e treinar para completar a sua própria meta. Não adiante eu falar para você qual a sua meta, depende dos seus objetivos. O meu objetivo de correr sempre foi me condicionar, ter uma qualidade de vida boa, reduzir minha enxaqueca e principalmente treinar para fazer minhas trilhas com facilidade.  Quero fazer muitas trilhas e correr me condiciona, mas ninguém me colocou isso, eu mesma que me regrei. Já corro 5K com facilidade, 10K, 12K e vou aumentando aos pouquinhos.

Falta de tempo e a necessidade de criar uma rotina

Uma outra desculpa muito comum que as pessoas falam é que não dá para correr porque não tem tempo. É preciso arrnajar tempo sim e não inventar uma desculpa, nem que seja 1X na semana de treino de 1h e um treino de 1h no parque no final de semana, beleza 2h dentro de uma semana corresponde a 1,1% mínimo que você pode se dedicar no começo. Com o tempo seu corpor vai pedir mais e vai ser preciso criar uma rotina. Sem rotina de exercícios você nunca irá correr. E mesmo treinando bastante nunca vamos achar que estamos prontos, mas naõ pode deixar de treinar. Minha dedicação ao treino de corrida corresponde a 3% e já me sinto bem com meu treino.

Dores no corpo e a corrida

Outra coisa que muita gente fala é com relação ao joelho, a dona Terezinha que me influenciou na corrida não tem problema de joelho algum pelo simples fato que ela faz um trabalho de fortalecimento das pernas, é isso que é preciso fazer. A única coisa que me dói na corrida é o OMBRO...sim, pasmem, meu ombro direito dói quando corro bastante. Sou professora e escrevo e apago a lousa com o braço direito...ainda não sei se é esse esforço repetido que contribui, mas tenho fortalecido, treinando bastante para não sentir dor no ombro durante a corrida, está cada vez melhor, de resto nada dói.

Psicológico

A corrida tem muito do psicológico, a mente e o corpo precisam falar a mesma linguagem, mas nossa mente tende a se cansar muito mais que nosso corpo. A mente precisa ser treinada. Nunca me esqueço que na corrida minha mente me condicionava a parar na subida até que numa corrida no Jd. Botânico, alguns anos atrás,  corri ao lado de um senhor de mais de 50 anos e quando começou a subida ele vendo que eu ia parar me disse: " Você não vai parar, parar é para os fracos, você a partir de agora vai treinar para não parar, não pare." Diante disso, não pude parar ...rsrsrsrs tudo bem que eu quase morri...rsrsrs mas achei fantástico ele ter falado isso. É preciso dizer: "Eu consigo, eu posso, eu vou terminar, está tudo bem comigo". Aposente as palavras negativas e não tenha dúvidas também que muita gente também vai querer te desanimar às vezes inconscientemente, mas uma vez que você começa a correr, uma força absurdamente incrível toma conta de você e não tenha dúvidas de que é essa força que vai fazer você chegar até o fim.

Teria muito mais coisas para compartilhar, mas está bom para o começo! Vou relatando pouco a pouco minhas experiências para encorajar outras pessoas!